Programa prevê demolição de ao menos 1.250 imóveis no litoral de São Paulo
Programa de Recuperação Socioambiental tem como objetivo zerar a ocupação imobiliária no Parque Estadual da Serra do Mar; litoral norte reúne 78% das construções
por Redação Alma Surf, 23/3/2011 00:00
SHARE:
  • Vila de Pinciguaba, em Ubatuba, um dos locais mais discutidos do projeto. Foto: Joannis Mihail Mouda
  • Em vermelho, área de intervenção da Vila de Pinciguaba, em Ubatuba. Foto: Programa de Recuperação Socioambiental / Reprodução
  • Em vermelho, área de intervenção da comunidade do Santo Daime, em Boiçucanga. Foto: Programa de Recuperação Socioambiental / Reprodução
  • Em vermelho, área de intervenção de Maresias, onde 411 imóveis passarão por urbanização e outros dez serão demolidos. Foto: Programa de Recuperação Socioambiental / Reprodução
1/4
Vila de Pinciguaba, em Ubatuba, um dos locais mais discutidos do projeto. Foto: Joannis Mihail Mouda
O litoral de São Paulo terá pelo menos 1.250 imóveis demolidos. Ao menos, é o que indica a  estimativa do relatório do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar, a mais ambiciosa intervenção do Estado para zerar a ocupação imobiliária no parque estadual.

De acordo com o documento, as intervenções incluem construções precárias e de alto padrão, estabelecimentos comerciais e turísticos e até uma comunidade do Santo Daime, de Boiçucanga.

De acordo com o Programa, as áreas de intervenção no setor norte, são: Caraguatatuba, Cunha, Natividade da Serra, Paraibuna, São Sebastião e Ubatuba. No setor sul, as áreas são: Cubatão, Juquitiba, Mongaguá, Pedro de Toledo, Peruíbe, Praia Grande, Santos, São Bernardo e São Vicente.

Além disso, dados do relatório informam que 14,9 mil imóveis no entorno da unidade passarão por ações de urbanização, como redes de água e esgoto e regularização de posse.

Das 16,1 mil construções atingidas, 78% estão na face norte do parque (litoral norte e vale do Paraíba), sendo 10,7 mil imóveis em Ubatuba.

O projeto, apoiado pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), tem uma premissa básica: nenhuma construção dentro do parque será mantida.

A premissa, no entanto, terá uma exceção: o governo estuda casos em que poderá recuar os limites do
parque para retirar dele comunidades caiçaras tradicionais.

A principal é a da Vila de Picinguaba, reduto de pescadores em Ubatuba que virou point de paulistanos de classe média alta e estrangeiros.

Além disso, um dos imóveis que seriam atingidos em Ubatuba, é a casa de praia do senador Eduardo Suplicy (PT), uma construção de dois pisos erguida sobre um córrego – o que, em tese, é ilegal. 

Litoral Norte


Em Boiçucanga, São Sebastião, devem desaparecer 11 casas dos seguidores da Beija-Flor de Luz, comunidade do Sante Daime.
 
Em Maresias, 411 imóveis passarão por urbanização e outros dez serão demolidos. De acordo com o Secretário de Meio Ambiente de São Sebastião, Eduardo Hipólito do Rego, pode haver mais remoções.

O documento também faz menção ao morro do Esquimó, em Juqueí, na costa sul, onde há 1.500 moradores. De acordo com suas informações, muita gente do local precisa ser removida.

O projeto é uma realização da Fundação Florestal em parceria com a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU).

Clique aqui e confira o relatório do Programa de Recuperação Socioambiental.
SHARE:
Social box almasurf